VOCÊ ESTÁ AQUI: INÍCIO / informação / Notícias / Educação Ambiental para a Sustentabilidade

Educação Ambiental para a Sustentabilidade

Câmara Municipal quer implementar projeto, em parceria com juntas de freguesia, agrupamentos de escolas do concelho e associações de pais e encarregados de educação, no próximo ano letivo de 2018/2019.


 
 
 
A Câmara Municipal do Cartaxo quer avançar com projeto de Educação Ambiental para a Sustentabilidade, no próximo ano letivo 2018/2019. De forma a apresentar a sua proposta a toda a comunidade escolar, juntas de freguesia e Conselho Municipal da Juventude, está a trabalhar em parceria com A FREE TO BE – Associação Educar para a Sustentabilidade.

A reunião preparatória decorreu no dia 24 de julho, no edifício-sede do Município e contou com a presença de Pedro Magalhães Ribeiro, presidente da Câmara Municipal do Cartaxo, Pedro Nobre, vereador com o pelouro do ambiente, e as representantes da associação FREE TO BE - Susana Lucas e Maria de Jesus Costa.

Para Pedro Magalhães Ribeiro, “educar para a sustentabilidade ambiental é educar para a cidadania. É educar para uma ética da responsabilidade, onde todos têm o seu papel determinante na preservação do planeta, dos seus recursos finitos e das gerações futuras. Preservação essa que só será possível se assente num modelo de desenvolvimento sustentável. É neste sentido que queremos construir uma proposta que envolva todas as associações ambientais do concelho e implementar um programa diversificado de atividades que promova a consciencialização desta necessidade.”

Sobre a FREE TO BE – Associação Educar para a Sustentabilidade
A associação FREE TO BE, é uma associação jovem, notarialmente constituída a 6 de junho de 2018, e pretende proporcionar oportunidades educativas intergeracionais “que promovam o desenvolvimento do ser humano enquanto ser livre pluridimensional, capaz de protagonizar a construção do conhecimento, valores e atitudes que lhe permitam ser agente de transformação num mundo que se almeja sustentável e equitativo”, como referem Susana Lucas e Maria de Jesus Costa.
​​