VOCÊ ESTÁ AQUI: INÍCIO / informação / Notícias / Jovens tomam posse na Assembleia Municipal do Cartaxo

Jovens tomam posse na Assembleia Municipal do Cartaxo

Alunos e alunas do ensino básico e secundário ocuparam o salão nobre do edifício sede do município do Cartaxo, sentaram-se nos lugares dos eleitos municipais e cumpriram a função de fiscalizar o executivo, em duas sessões da Assembleia Municipal Jovem.


• Ambas as sessões decorreram durante a manhã. No dia 16 de maio tomaram posse os jovens do ensino básico e no dia 17 de maio, foram os jovens do ensino secundário a conduzir os trabalhos da assembleia.

• Pedro Magalhães Ribeiro, presidente da Câmara Municipal e Fernando Amorim, vice-presidente, prestaram contas aos jovens que “deram exemplo de maturidade política e cidadania crítica mas responsável”​

​​

A Assembleia Municipal do Cartaxo reuniu, nos dias 16 e 17 de maio em duas sessões em que os membros eleitos deram o lugar aos jovens que frequentam o ensino básico e o ensino secundário em estabelecimentos de ensino do concelho – mais de sete dezenas de alunas e alunos dirigiram perguntas aos membros do executivo, apresentaram e votaram propostas, debatendo os problemas que afetam as suas escolas, tanto quanto o concelho e cumprindo assim as suas funções no órgão fiscalizador e deliberativo, para o qual tomaram posse por algumas horas.
 
Depois de tomarem conhecimento do juramento a que estão obrigados os eleitos municipais – de cumprir com lealdade as funções que lhes são confiadas –, elegeram por voto secreto os membros da mesa e passaram a organizar os trabalhos. 
 
Carlos Eugénio Galelo, Provedor do Munícipe e Augusto Parreira, Presidente da Assembleia Municipal, foram os responsáveis por dar as boas vindas aos jovens, enquanto Fernando Amorim, vice-presidente e Pedro Magalhães Ribeiro, presidente da Câmara Municipal foram convocados, no dia 16 e no dia 17 de maio, respetivamente, para prestarem os esclarecimentos que os jovens deputados lhes exigiram. Na assistência, professores, familiares dos jovens e eleitos municipais, garantiram elevada participação em ambas as sessões. 
 
Alunos do ensino básico pediram explicações ao vice-presidente da Câmara
A primeira sessão da Assembleia Municipal Jovem contou com sala cheia tanto nas cadeiras dos eleitos, quanto nas do público. Augusto Parreira, presidente da Assembleia Municipal – órgão que promoveu as sessões para jovens –, agradeceu “aos agrupamentos de escolas, aos professores e aos pais pela presença e pelo trabalho de preparação e acompanhamento dos jovens”, a quem deixou uma recomendação “que esta assembleia seja, ativa e produtiva”.
 
Os alunos e as alunas do Agrupamento de Escolas Marcelino Mesquita do Cartaxo e do Agrupamento de Escolas D. Sancho I de Pontével começaram por eleger por voto secreto a mesa da assembleia – Duarte Campos assumiu a presidência da mesa, João Pedro Patrício ocupou o lugar de primeiro secretário e Mariana Marques o de segunda secretária, dando de imediato início aos trabalhos. 
 
Os jovens deputados, alunos e alunas do 4.º ao 9.º ano de escolaridade, oriundos dos dois agrupamentos de escolas e de todos os estabelecimentos de ensino, pediram ao vice-presidente da Câmara Municipal que desse explicações sobre os mais variados assuntos – manutenção dos estabelecimentos de ensino, necessidades específicas, como aquisição de materiais para atividades nas escolas ou preocupações relacionadas com os espaços para convívio e estudo e a qualidade das refeições escolares, mas também lembraram problemas do concelho, como o estado das estradas, o saneamento básico ou o cuidado com o espaço público comum a toda a população. 
 
O comércio tradicional, o uso da água enquanto recurso escasso, o policiamento noturno na cidade e nas freguesias e a necessidade de mais abrigos de autocarro, foram outros assuntos aos quais Fernando Amorim respondeu, explicando aos jovens as razões das decisões e as competências do executivo, o trabalho feito na recuperação dos “estabelecimentos de ensino nos quais, nos últimos quatro anos, foram investidos cerca de 500 mil euros, que a Câmara entregou às juntas de freguesia para efetuarem obras de manutenção”.
Mas os jovens não exigiram apenas explicações, também fizeram propostas, informando o vice-presidente das soluções que defendem para os problemas que identificam no seu dia-a-dia nas escolas.
 
Para alguns problemas relatados, como foi exemplo a falta de internet num dos estabelecimentos de ensino, Fernando Amorim contactou de imediato o serviço responsável que “ainda esta tarde se irá deslocar à escola para avaliar o problema, tendo em conta que nunca nos tinha sido relatado e é muito fácil de resolver”, ao contrário de outras propostas “que aqui nos trouxeram, que são muito interessantes, mas que exigem mais algum tempo quer pela sua complexidade quer pelo investimento necessário”.
 
A sessão terminou ao fim de mais de três horas de apresentação de propostas, debate e pedidos de explicação “no que foi uma sessão muito interessante, quer pela vossa vivacidade e entusiasmo, quer pela diversidade de temas que nos trouxeram” para além de “não se terem limitado a exercer o vosso direito de fiscalizar e pedir explicações, mas terem tido a preocupação de pensar sobre os problemas e de procurar soluções que se possam executar”, afirmou o vice-presidente da Câmara Municipal.
 
Pedro Magalhães Ribeiro respondeu aos alunos da Escola Secundária do Cartaxo
Na manhã do dia 17 de maio, foi a vez das alunas e dos alunos do ensino secundário ocuparem os seus lugares de deputados municipais. Também eles recebidos por Carlos Eugénio Galelo e por Augusto Parreira, os jovens que frequentam a Escola Secundária do Cartaxo e integram turmas do 10.º ao 12.º ano de escolaridade, elegeram para presidente da mesa, o jovem Renato, para primeira secretária a Margarida Semedo e para segunda secretária, Alexandra Franco.
 
Pedro Magalhães Ribeiro, presidente da Câmara Municipal, deu as boas vindas aos alunos, destacando a importância destas assembleias municipais para que “desde muito jovens, possam tomar consciência da enorme responsabilidade que é ser eleito, ser a voz de outros, defender os interesses do coletivo, fazer escolhas e explica-las àqueles que representam”.
 
Os jovens do ensino secundário escolherem organizar a assembleia em dois momentos distintos, conforme o jovem Renato informou “um primeiro momento para sugestões e perguntas ao presidente da Câmara, e outro para apresentação e votação de propostas”.
 
Durante o período de sugestões e perguntas, o presidente da câmara respondeu a questões sobre os equipamentos municipais para a prática desportiva, o saneamento básico no concelho, as obras necessárias na escola secundária, a animação cultural prevista para o próximo verão, e ouviu sugestões, como a criação de um cartão que permitisse aos jovens frequentar as piscinas a um custo mais baixo ou a organização de concertos para dar a conhecer as bandas que no concelho têm projetos musicais.
 
O período de apresentação e votação de propostas, permitiu o debate sobre assuntos tão diversos como a proteção a animais abandonados, a organização dos transportes públicos dentro do concelho, a necessidade de espaços de encontro para jovens que lhes permitam trabalhar fora da escola, os equipamentos desportivos para a prática desportiva na cidade do Cartaxo e a poluição de linhas de água, com perguntas diretas ao presidente da Câmara.
 
Constituídos em grupos de trabalho, os jovens elaboraram estudos que identificam problemas concretos, desenvolveram inquéritos de opinião junto da população, enquadraram a realidade e apresentaram propostas para a solução dos problemas encontrados, o que, para o presidente da Câmara, constituiu um trabalho de “excelência, que dá lições a quem exerce a atividade política”, referindo-se aos cinco projetos apresentados – Cartaxo Desportivo é Cartaxo Atrativo, Alargamento do Trajeto do TUC até à Estação de Santana/Cartaxo; Pontos de recolha de alimento para os animais como apoio às associações que atuam no concelho, Despoluição da ribeira do Cartaxo, Espaço Jovem a criar em Vale da Pedra.
 
Para o autarca “hoje, são vocês quem nos deixa uma lição de cidadania e de maturidade política.  Os eleitos “têm a responsabilidade de dar voz às críticas e às preocupações de quem os elege, mas também de resolver os desafios que temos pela frente apresentando propostas. A política vive de propostas relevantes para a vida das pessoas, vive de ouvir as pessoas, identificar os seus problemas e apontar soluções fazendo escolhas e definindo prioridades, a partir de recursos que são escassos”. 
 
O jovem presidente deu a sessão por encerrada às 12h40 minutos, com eleitos e jovens a garantir que estas sessões são para continuar ao longo do mandato.
 
​​​​​​​​​​​​